Caça&pesca&natureza

Olá!
Bem-vindo ao cães-caca-pesca-natureza , Esperamos que goste do nosso fórum!
Se ainda não faz parte do fórum, clique em "Registrar-se" para conferir os mais diversos assuntos .
Atenção depois de fazer o resisto a primeira coisa a fazer é ler as nossas regras e depois logo em seguida fazer a sua apresentação e depois participar em força
Obrigado a todos são os votos do fórum Cães&Caça&pesca&natureza

Atenção os utilizadores têm 5 dias úteis para se apresentarem se não o fizerem as suas contas bom ser apagadas de imediato

Caça&pesca&natureza


 
InícioInício  PortalPortal  GaleriaGaleria  Registrar-seRegistrar-se  LoginLogin  
.Untitled-2.picnikfile_77qB1F.001.vale_do_trevo_banner.customLogo.logocmcc.CABEAL~1

Compartilhe | 
 

 Pequeno debate

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
miguel
Caçador Aprendiz ;-)
Caçador Aprendiz ;-)


Número de Mensagens : 219
Idade : 29
Localização : Beja
Data de inscrição : 22/01/2010

MensagemAssunto: Pequeno debate   Seg Out 18, 2010 1:56 pm

Pessoal encontrei isto noutro forum... procuro opiniões 123

"A escolha e utilização dos cartuchos na caça menor são sempre motivo de discussões apaixonadas que animam as nossas tertúlias. Porém há pontos concordantes, permitindo ao caçador estabelecer se não regras, pelo menos um conjunto de noções práticas.



Aí está outra época de caça geral, pelo que aqui trago este tema! Muitos compram os cartuchos que o armeiro aconselha ou porque vêem os outros usar, e até o que calha. Uns usam o mesmo para tudo, outros variam consoante o que há, aquilo que acertam e até por razões de publicidade, ostentação ou “moda”! Eu sou dos que acham que cada caso é um caso e um caçador deve preencher cuidadosamente o seu cinturão na véspera e meter no bornal uma caixa de cartuchos diferentes, prevenindo outras situações.

A mim ainda me dá um gozo enorme na véspera da saída, escolher os cartuchos e arrumá-los na cartucheira, prevendo o que vou encontrar, conforme o terreno e a vegetação, que espécies poderei encontrar e abater, como se vai desenrolar a caçada, e gosto de ir preparado. È começar a caçar desde logo!

Ora antes de mais, todos devíamos saber e com verdade, sem nos enganarmos a nós mesmos, qual a classe de atirador a que pertencemos:

Fraco – do tipo, é o que calha…

Médio – do género, tenho dias… mas consciente.

Bom - matamos com regularidade e sabemos porquê.

Superior – daqueles que matam sempre bem!

A maioria dos caçadores pura e simplesmente não tem a noção do que realmente são como atiradores! Tudo começa aí… depois muda-se de arma e de cartuchos como se muda de cuecas, nunca nos fazemos a eles e nunca percebemos ao certo o que se passa. Só conhecendo-nos como atiradores podemos fazer as melhores escolhas!

Um caso frequente
Uma história exemplar:
Ao terceiro dia de caça consecutivo, numa turística em Espanha, onde foi a convite, o Alberto, com a arma do costume, viu e atirou tanta caça que se lhe acabaram os cartuchos, sendo-lhe fornecidos uns da marca “olhocierto". Matou bem e com regularidade. “È pá, g’andas cartuchos! Estes é que são… nunca mais quero outros!" Pensou ufano, e a primeira coisa que fez quando regressou, foi comprar em segredo uma valente provisão deles… agora é que a malta ia ver!

Para estar fora e na caça quase uma semana, houvera delicadas negociações familiares e o Alberto teve de ceder dois fins-de-semana para ir de visita a uma prima da mulher e outro para ir aos anos duma sobrinha desta, que isto a vida de caçador nem sempre é fácil! Passadas duas semanas sem atirar, lá vai ele com o pessoal do costume, a quem já alardeou os feitos lá na Espanha e os cartuchos “que vócezes vão a ver!". Está cheio de si… porém ao final do dia matou o que era costume – pouco - e o pessoal é só gozar e desforrar-se da inveja que a ida à Espanha causou e da prosápia do Alberto.



Desgostoso o Alberto maldiz os cartuchos: - "Isto se calhar, são diferentes… eles mudaram as cargas... os outros foram comprados lá na Espanha, aldrabões!". Depois põe-se a olhar para a arma... se calhar o defeito está na arma… deve ser isso, deve! E tira medidas, encara-a e torna a encarar... pensa já em trocá-la por uma igual à nova do Belmiro que se fartou de matar, com 61,73 cm de cano e almas de 5 e 7/3 e 25 décimas, que ele nem sabe o que significa mas decorou e garante ser o melhor que existe…

Ora digam lá a quantos isto não sucedeu já? ou quantas vezes a tal assistimos? Quantos Albertos não foram capazes de perceber que ao terceiro dia consecutivo, a atirar bastante, “lhe apanharam o jeito”, ao que arma e cartuchos foram estranhos? E que depois o perderam por falta de continuidade?

A nossa capacidade melhora com o tempo, com os tiros e muito com a assiduidade, como depois se perde com idade. Há que escolher choques, arma e cartuchos em conformidade quer com essa realidade quer com aquilo a que vamos e como vamos caçar! Porém chegar a conclusões não é nada fácil nem linear, leva tempo e muito experimentar.

Não nos serve copiar outros sem critério, há sim que nos conhecermos e saber também reconhecer os outros… nunca me passaria pela cabeça imitar o “Pocinhas” que mata perdizes como poucos com as suas cargas pessoais de chumbo 4 e o faz com uma regularidade que me levam antes a tentar perceber e a aprender, certo de que estou perante um atirador muito superior, com quem não me posso comparar – e o seu filho João já vai na mesma… é cada bigode! Logo o que eles usam não me serve e não é por o copiar que passaria a matar melhor.

Recordo-me sim do que me aconselhava o Sr. João Acabado, sobre o meu caso em que era aconselhável usar choques moderados e cargas equilibradas de 32-34 g, que provavelmente é o caso duma grande maioria! Tentarei portanto recolher e reunir neste artigo, algumas ideias que auxiliem a algum colega que ande mais “perdido”, ressalvando sempre que o que digo me serve a mim, mas não significa ser a melhor nem a última opinião!



Breves noções

A carga padrão do calibre 12, situa-se nas 32 gramas de chumbo, com uma tolerância de + 2 e – 2 gramas, ou seja entre 30 e 34 g, que todavia mantêm o seu equilíbrio! A chumbada não é uma roda plana como sugere a superfície de impacto num papel, onde se vê um círculo! A carga de chumbo, logo no cartucho tem a forma de um cilindro, depois viaja no cano e a seguir livremente no ar, a diferentes velocidades e se espalha, pelo que acabará por ter a forma de um cone em que o vértice corresponde ao meio e a aba, ou borda do círculo, viaja atrasada em relação ao meio. Ou seja ficam espaços por pode passar uma peça!

As espingardas não chumbam todas igualmente, embora haja com certeza uma standartização, mas a qualidade e portanto fabrico dos canos tem influência. Há que testar a arma que vamos usar e experimentar os cartuchos numa chapa! O comprimento dos canos, com as modernas pólvoras, tem a ver com a facilidade em apontar, e não com o compor da bagada.

Num tiro em que seja preciso encarar e apontar rapidamente é vantajoso um cano curto, já num tiro largo e com grande desconto é melhor um comprido. As cargas ditas fortes, porque maior quantidade de chumbo, como 36 gramas, têm a vantagem de encher melhor o espaço da bagada. Mas, sofrendo um maior efeito dispersante, alargam e acabam por deixar claros no preenchimento desse espaço. Isto se compõe usando canos mais fechados ou chocados, mas claro com duas obrigações; uma é atirar mais longe para não desfazer a peça, e outra, o termos habilidade para isso.

Portanto, cargas fortes, de 36 g e daí para cima, são para tiros largos e atiradores muito bons! Uma carga forte (mais peso de chumbo) produz um tiro mais lento, o que se reflecte nos descontos a dar. Uma carga mais leve (menos peso de chumbo) produz um tiro mais rápido e portanto atenua a questão dos descontos que não estão ao alcance de todos. Mas dentro do limite ou terá um efeito altamente dispersante!

As cargas fortes, dão maior coice, influindo no atirador e no resultado do tiro, logo atenção ao peso da arma que deve ser equilibrado, sendo uma vantagem o uso de semi-automáticas que amortecem a explosão e o recuo.

A carga standard do calibre, para um mesmo número do chumbo, é em teoria, a que melhor enche o espaço da bagada ou tem uma mais uniforme distribuição dos chumbos. Para chumbo mais grosso podemos aumentar a carga, pois sendo mais grosso, tem na mesma gramagem menos bagos, o que provoca os tais claros.



Para chumbo mais miúdo devemos diminuir a carga, ou se provoca a dispersão. Isto é uma consideração teórica, desde que usando sempre a mesma a arma e choques. Não esquecer que o estrangulamento dos canos, a distância e até as temperaturas do dia (provocando variação nas pressões) têm influência no tiro. O chumbo mais grosso mata mais longe por ter mais poder derrubante e pedir um número de bagos menor do que o miúdo para ter efeito letal.

Há uma eterna discussão entre Alemães e Ingleses, uns defendem ser necessários 3 bagos para matar uma peça e os outros 5! Para uma lebre, 3 bagos de chumbo 8 parece-me curto e para um tordo certamente que não são precisos 5 bagos de chumbo 5!

Embora pareça preciosismo, há vantagem em usar 2 cartuchos de chumbos diferentes em dois tiros à mesma peça, exemplos, o clássico 7 no cano direito e 6 no esquerdo, para uma perdiz saltada que se afasta.

É atirada perto com chumbo mais miúdo, numa carga que usa bem a dispersão e a leveza no choque mais aberto, permitindo depois fazer a emenda com uma carga mais forte, à peça que se afasta, usando o choque mais estrangulado.



O inverso para uma batida, em que se atira a uma peça que entra, primeiro com o cano mais estrangulado, e depois mais perto, com o cano mais aberto. (Daí a razão de as armas de dois canos terem normalmente estrangulamentos diferentes em cada cano e as de monogatilho terem um selector de tiro que permite escolher o cano com que se vai atirar).

O habitual cartucho com dispersor no cano direito para o coelho que salta aos pés e dentro do mato e o cartucho normal no cano esquerdo, para a emenda mais afastada ou um tiro para a limpa.

Bons tiros, cautela e boas caçadas… calhando nos encontraremos no campo!



Em teoria podemos então resumir:

- Carga standard no calibre 12, são 32 g de chumbo com tolerância de +2 ou –2.

- Tiro perto = choque aberto e gramagem standard.

- Tiro largo = choque fechado e mais gramagem.

- Mais gramagem = tiro mais lento mas menos claros.

- Menos gramagem = mais velocidade, maior dispersão, mais claros.

- Mais gramagem = maior coice e vice-versa.

- Confirma-se o clássico quadro seguinte sobre a relação do número do chumbo e das cargas nos cartuchos com peças:

Codornizes – Chumbo 10 ou 9, com 28 ou 30 g.

Narcejas – Chumbo 9 ou 8, com 30 ou 32 g.

Tordos – Chumbo 8 ou 7 ½, com 30 a 32 g.

Rolas – Chumbo 8, 7 ½ ou 7 com 30 a 32 g.

Pombos – Variando com as distâncias e choques, há quem utilize do 7 ao 4.

Verifica-se uma nítida preferência pelo nº 6 ou 5, com 34 a 36 g.

Perdizes – Há duas realidades distintas:

Bravas – chumbo 7 e 6 são os indicados, com 34 ou 36 g!

Postas – chumbo 7 ½ e 7 com 32 g!

Galinhola – 7 ½ ou 7 com 32 g.

Patos – Consoante distâncias e choques, os locais e hora, usam-se desde o 7 ao 4!

O mais comum é o chumbo 6 e 5 com 34 ou 36 g. Altos, o nº 4 e 36 ou mais

gramas.

Lebre - Ideal o chumbo 6 ou 5 com 34 a 36 g.

Coelhos - Há um consenso no chumbo 6 e 32 g. Com ou sem dispersor!

Definindo o “cartucho que dá para tudo” sem dúvida chumbo nº 7 com 32 gramas!




Fonte: confagri"
[/color]


Última edição por miguel em Ter Out 19, 2010 1:42 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
pedro eusebio
Caçador Veterano ;-)
Caçador Veterano ;-)


Número de Mensagens : 685
Idade : 38
Localização : caldas da rainha.. oleiros
Data de inscrição : 26/03/2009

MensagemAssunto: bom artigo   Seg Out 18, 2010 3:38 pm

miguel escreveu:
Pessoal encontrei isto noutro forum... procuro opiniões 123

"A escolha e utilização dos cartuchos na caça menor são sempre motivo de discussões apaixonadas que animam as nossas tertúlias. Porém há pontos concordantes, permitindo ao caçador estabelecer se não regras, pelo menos um conjunto de noções práticas.



Aí está outra época de caça geral, pelo que aqui trago este tema! Muitos compram os cartuchos que o armeiro aconselha ou porque vêem os outros usar, e até o que calha. Uns usam o mesmo para tudo, outros variam consoante o que há, aquilo que acertam e até por razões de publicidade, ostentação ou “moda”! Eu sou dos que acham que cada caso é um caso e um caçador deve preencher cuidadosamente o seu cinturão na véspera e meter no bornal uma caixa de cartuchos diferentes, prevenindo outras situações.

A mim ainda me dá um gozo enorme na véspera da saída, escolher os cartuchos e arrumá-los na cartucheira, prevendo o que vou encontrar, conforme o terreno e a vegetação, que espécies poderei encontrar e abater, como se vai desenrolar a caçada, e gosto de ir preparado. È começar a caçar desde logo!

Ora antes de mais, todos devíamos saber e com verdade, sem nos enganarmos a nós mesmos, qual a classe de atirador a que pertencemos:

Fraco – do tipo, é o que calha…

Médio – do género, tenho dias… mas consciente.

Bom - matamos com regularidade e sabemos porquê.

Superior – daqueles que matam sempre bem!

A maioria dos caçadores pura e simplesmente não tem a noção do que realmente são como atiradores! Tudo começa aí… depois muda-se de arma e de cartuchos como se muda de cuecas, nunca nos fazemos a eles e nunca percebemos ao certo o que se passa. Só conhecendo-nos como atiradores podemos fazer as melhores escolhas!

Um caso frequente
Uma história exemplar:
Ao terceiro dia de caça consecutivo, numa turística em Espanha, onde foi a convite, o Alberto, com a arma do costume, viu e atirou tanta caça que se lhe acabaram os cartuchos, sendo-lhe fornecidos uns da marca “olhocierto". Matou bem e com regularidade. “È pá, g’andas cartuchos! Estes é que são… nunca mais quero outros!" Pensou ufano, e a primeira coisa que fez quando regressou, foi comprar em segredo uma valente provisão deles… agora é que a malta ia ver!

Para estar fora e na caça quase uma semana, houvera delicadas negociações familiares e o Alberto teve de ceder dois fins-de-semana para ir de visita a uma prima da mulher e outro para ir aos anos duma sobrinha desta, que isto a vida de caçador nem sempre é fácil! Passadas duas semanas sem atirar, lá vai ele com o pessoal do costume, a quem já alardeou os feitos lá na Espanha e os cartuchos “que vócezes vão a ver!". Está cheio de si… porém ao final do dia matou o que era costume – pouco - e o pessoal é só gozar e desforrar-se da inveja que a ida à Espanha causou e da prosápia do Alberto.



Desgostoso o Alberto maldiz os cartuchos: - "Isto se calhar, são diferentes… eles mudaram as cargas... os outros foram comprados lá na Espanha, aldrabões!". Depois põe-se a olhar para a arma... se calhar o defeito está na arma… deve ser isso, deve! E tira medidas, encara-a e torna a encarar... pensa já em trocá-la por uma igual à nova do Belmiro que se fartou de matar, com 61,73 cm de cano e almas de 5 e 7/3 e 25 décimas, que ele nem sabe o que significa mas decorou e garante ser o melhor que existe…

Ora digam lá a quantos isto não sucedeu já? ou quantas vezes a tal assistimos? Quantos Albertos não foram capazes de perceber que ao terceiro dia consecutivo, a atirar bastante, “lhe apanharam o jeito”, ao que arma e cartuchos foram estranhos? E que depois o perderam por falta de continuidade?

A nossa capacidade melhora com o tempo, com os tiros e muito com a assiduidade, como depois se perde com idade. Há que escolher choques, arma e cartuchos em conformidade quer com essa realidade quer com aquilo a que vamos e como vamos caçar! Porém chegar a conclusões não é nada fácil nem linear, leva tempo e muito experimentar.

Não nos serve copiar outros sem critério, há sim que nos conhecermos e saber também reconhecer os outros… nunca me passaria pela cabeça imitar o “Pocinhas” que mata perdizes como poucos com as suas cargas pessoais de chumbo 4 e o faz com uma regularidade que me levam antes a tentar perceber e a aprender, certo de que estou perante um atirador muito superior, com quem não me posso comparar – e o seu filho João já vai na mesma… é cada bigode! Logo o que eles usam não me serve e não é por o copiar que passaria a matar melhor.

Recordo-me sim do que me aconselhava o Sr. João Acabado, sobre o meu caso em que era aconselhável usar choques moderados e cargas equilibradas de 32-34 g, que provavelmente é o caso duma grande maioria! Tentarei portanto recolher e reunir neste artigo, algumas ideias que auxiliem a algum colega que ande mais “perdido”, ressalvando sempre que o que digo me serve a mim, mas não significa ser a melhor nem a última opinião!



Breves noções

A carga padrão do calibre 12, situa-se nas 32 gramas de chumbo, com uma tolerância de + 2 e – 2 gramas, ou seja entre 30 e 34 g, que todavia mantêm o seu equilíbrio! A chumbada não é uma roda plana como sugere a superfície de impacto num papel, onde se vê um círculo! A carga de chumbo, logo no cartucho tem a forma de um cilindro, depois viaja no cano e a seguir livremente no ar, a diferentes velocidades e se espalha, pelo que acabará por ter a forma de um cone em que o vértice corresponde ao meio e a aba, ou borda do círculo, viaja atrasada em relação ao meio. Ou seja ficam espaços por pode passar uma peça!

As espingardas não chumbam todas igualmente, embora haja com certeza uma standartização, mas a qualidade e portanto fabrico dos canos tem influência. Há que testar a arma que vamos usar e experimentar os cartuchos numa chapa! O comprimento dos canos, com as modernas pólvoras, tem a ver com a facilidade em apontar, e não com o compor da bagada.

Num tiro em que seja preciso encarar e apontar rapidamente é vantajoso um cano curto, já num tiro largo e com grande desconto é melhor um comprido. As cargas ditas fortes, porque maior quantidade de chumbo, como 36 gramas, têm a vantagem de encher melhor o espaço da bagada. Mas, sofrendo um maior efeito dispersante, alargam e acabam por deixar claros no preenchimento desse espaço. Isto se compõe usando canos mais fechados ou chocados, mas claro com duas obrigações; uma é atirar mais longe para não desfazer a peça, e outra, o termos habilidade para isso.

Portanto, cargas fortes, de 36 g e daí para cima, são para tiros largos e atiradores muito bons! Uma carga forte (mais peso de chumbo) produz um tiro mais lento, o que se reflecte nos descontos a dar. Uma carga mais leve (menos peso de chumbo) produz um tiro mais rápido e portanto atenua a questão dos descontos que não estão ao alcance de todos. Mas dentro do limite ou terá um efeito altamente dispersante!

As cargas fortes, dão maior coice, influindo no atirador e no resultado do tiro, logo atenção ao peso da arma que deve ser equilibrado, sendo uma vantagem o uso de semi-automáticas que amortecem a explosão e o recuo.

A carga standard do calibre, para um mesmo número do chumbo, é em teoria, a que melhor enche o espaço da bagada ou tem uma mais uniforme distribuição dos chumbos. Para chumbo mais grosso podemos aumentar a carga, pois sendo mais grosso, tem na mesma gramagem menos bagos, o que provoca os tais claros.



Para chumbo mais miúdo devemos diminuir a carga, ou se provoca a dispersão. Isto é uma consideração teórica, desde que usando sempre a mesma a arma e choques. Não esquecer que o estrangulamento dos canos, a distância e até as temperaturas do dia (provocando variação nas pressões) têm influência no tiro. O chumbo mais grosso mata mais longe por ter mais poder derrubante e pedir um número de bagos menor do que o miúdo para ter efeito letal.

Há uma eterna discussão entre Alemães e Ingleses, uns defendem ser necessários 3 bagos para matar uma peça e os outros 5! Para uma lebre, 3 bagos de chumbo 8 parece-me curto e para um tordo certamente que não são precisos 5 bagos de chumbo 5!

Embora pareça preciosismo, há vantagem em usar 2 cartuchos de chumbos diferentes em dois tiros à mesma peça, exemplos, o clássico 7 no cano direito e 6 no esquerdo, para uma perdiz saltada que se afasta.

É atirada perto com chumbo mais miúdo, numa carga que usa bem a dispersão e a leveza no choque mais aberto, permitindo depois fazer a emenda com uma carga mais forte, à peça que se afasta, usando o choque mais estrangulado.



O inverso para uma batida, em que se atira a uma peça que entra, primeiro com o cano mais estrangulado, e depois mais perto, com o cano mais aberto. (Daí a razão de as armas de dois canos terem normalmente estrangulamentos diferentes em cada cano e as de monogatilho terem um selector de tiro que permite escolher o cano com que se vai atirar).

O habitual cartucho com dispersor no cano direito para o coelho que salta aos pés e dentro do mato e o cartucho normal no cano esquerdo, para a emenda mais afastada ou um tiro para a limpa.

Bons tiros, cautela e boas caçadas… calhando nos encontraremos no campo!



Em teoria podemos então resumir:

- Carga standard no calibre 12, são 32 g de chumbo com tolerância de +2 ou –2.

- Tiro perto = choque aberto e gramagem standard.

- Tiro largo = choque fechado e mais gramagem.

- Mais gramagem = tiro mais lento mas menos claros.

- Menos gramagem = mais velocidade, maior dispersão, mais claros.

- Mais gramagem = maior coice e vice-versa.

- Confirma-se o clássico quadro seguinte sobre a relação do número do chumbo e das cargas nos cartuchos com peças:

Codornizes – Chumbo 10 ou 9, com 28 ou 30 g.

Narcejas – Chumbo 9 ou 8, com 30 ou 32 g.

Tordos – Chumbo 8 ou 7 ½, com 30 a 32 g.

Rolas – Chumbo 8, 7 ½ ou 7 com 30 a 32 g.

Pombos – Variando com as distâncias e choques, há quem utilize do 7 ao 4.

Verifica-se uma nítida preferência pelo nº 6 ou 5, com 34 a 36 g.

Perdizes – Há duas realidades distintas:

Bravas – chumbo 7 e 6 são os indicados, com 34 ou 36 g!

Postas – chumbo 7 ½ e 7 com 32 g!

Galinhola – 7 ½ ou 7 com 32 g.

Patos – Consoante distâncias e choques, os locais e hora, usam-se desde o 7 ao 4!

O mais comum é o chumbo 6 e 5 com 34 ou 36 g. Altos, o nº 4 e 36 ou mais

gramas.

Lebre - Ideal o chumbo 6 ou 5 com 34 a 36 g.

Coelhos - Há um consenso no chumbo 6 e 32 g. Com ou sem dispersor!

Definindo o “cartucho que dá para tudo” sem dúvida chumbo nº 7 com 32 gramas!




Fonte: confagri"






bom artigo amigo MIGUEL, pessoalmente o meu cartucho de eleição são 32gramas de chumbo nº7 no calibre 12 e 28 gramas de chumbo 7 1/2 no calibre 20 a categria a que pertenço...........tem dias mas quase sempre quando se erra caça é mais culpa do atirador que da arma ou munições.
Voltar ao Topo Ir em baixo
brunoferraz
Caçador Veterano ;-)
Caçador Veterano ;-)


Número de Mensagens : 1803
Idade : 29
Localização : Santa Maria Da Feira
Data de inscrição : 28/03/2009

MensagemAssunto: Re: Pequeno debate   Seg Out 18, 2010 5:39 pm

Aí é que esta uma grande verdade caro Pedro.
Voltar ao Topo Ir em baixo
vvitor
Caçador Veterano ;-)
Caçador Veterano ;-)


Número de Mensagens : 307
Idade : 44
Localização : montijo
Data de inscrição : 16/02/2010

MensagemAssunto: Re: Pequeno debate   Seg Out 18, 2010 7:58 pm

chumbo 6 sempre para a caça de pelo , dispersor no 1º e 2º tiro conforme os terrenos e um de embalar 36g no 3º , mas se forem terrenos limpos ja vao 2 de embalar 32g e depois o famoso 36g.
Mas todos temos dias , a dias que nem e preciso apontar e ja caiu e outros tudo bem medido e pum,pum ,pum e la vão eles que ate largam faiscas ...
Mas que fique claro os cartuchos contam assim como as armas , não existem duvidas disso mas o erro humano e culpado 85% dos erros la isso e . .... claro depois vem as famosas desculpas de caçador apontei no zig quando ia no zag , estou a testar uns cartuchos novos e claro as famosas desculpas do meu irmão com a sua retorica sempre a acompanhar .... amigos
Voltar ao Topo Ir em baixo
vitor76
Caçador Veterano ;-)
Caçador Veterano ;-)


Número de Mensagens : 393
Idade : 40
Localização : barcelos
Data de inscrição : 08/11/2008

MensagemAssunto: Re: Pequeno debate   Seg Out 18, 2010 8:17 pm

Bom trabalho amigo Miguel
Ate da para tirar algumas duvidas
Parabens

amigos amigos


Voltar ao Topo Ir em baixo
Luis cunha
Caçador Novato ;-)
Caçador Novato ;-)


Número de Mensagens : 56
Idade : 43
Localização : Guarda
Data de inscrição : 23/09/2009

MensagemAssunto: Re: Pequeno debate   Ter Out 19, 2010 8:18 pm

Bom trabalho Miguel
Isso é o que se chama fazer os TPCs muito bom artigo...
Abraço
Voltar ao Topo Ir em baixo
patrick_lgs
Caçador Veterano ;-)
Caçador Veterano ;-)


Número de Mensagens : 1208
Idade : 44
Localização : Lagos
Data de inscrição : 15/04/2010

MensagemAssunto: Re: Pequeno debate   Qua Out 20, 2010 11:11 am

Ora cá está um tema interessante...mas que mais uma vez vai cair no "cada cabeça sua sentença".

Em relação à escolha dos cartuchos, posso dizer que tive a vida facilitada. Pois o meu pai teve de fazer ele sozinho essa longa experiencia da escolha e das tentativas. Quando me iniciei legalmente a caçar, a escolha do meu pai era cartuchos da melior...os quais eu já estava habituado a atirar um tirito ou outro. Por isso, foi rapida a adaptação ao tiros desta marca.
A minha primeira arma foi a Beneli rafaelo 121 e durante mais de 15 anos nunca peguei em outra.
Mesmo quando ia fazer tiros aos pratos...levava a minha 121.

Acho que é fundamental nunca mudarmos de arma e se possivel de cartuchos. A simples duvida de que "será que é bom?" é suficiente para alterar a nossa forma de atirar. A confiança e calma é tudo...na minha opinião. O tiro tem de saír de uma forma natural e nunca forçada.

A escolha dos cartuchos também pode ser algo de muito discutivel. Tudo depende da conjugação de vários factores. Nomeadamente a forma como atirámos, a que distancias médias irão passar e/ou levantar as peças, se é caça de salto ou de espera, etc...

Mas, mais uma vez é tudo relativo se a nossa cabeça não estiver "limpa de macaquinhos".

Eu nunca fui atrás de modas nem de conselhos baratos...gosto de ter a minha opinião baseada na experiência.

No que diz respeito ao tipo de chumbo a utilizar em cada especie...nunca fui muito "maria vai com as outras"

senão vejamos:


Codornizes – Chumbo 10 ou 9, com 28 ou 30 g.
Eu uso chumbo 7 com 34g

Narcejas – Chumbo 9 ou 8, com 30 ou 32 g.
Eu uso chumbo 7 com 34g

Tordos – Chumbo 8 ou 7 ½, com 30 a 32 g.
Eu uso chumbo 7 com 34g

Rolas – Chumbo 8, 7 ½ ou 7 com 30 a 32 g.
Eu uso chumbo 5 com 34g

Pombos – Variando com as distâncias e choques, há quem utilize do 7 ao 4.

Verifica-se uma nítida preferência pelo nº 6 ou 5, com 34 a 36 g.
Eu uso chumbo 5 com 34g no verão e no inverno uso chumbo 5 com 36g

Perdizes – Há duas realidades distintas:

Bravas – chumbo 7 e 6 são os indicados, com 34 ou 36 g!

Postas – chumbo 7 ½ e 7 com 32 g!

Eu uso chumbo 5 com 34g para todas...já que se forem postas é porque estou a ser enganado.

Galinhola – 7 ½ ou 7 com 32 g.
Eu uso chumbo 5 com 34g...

Patos – Consoante distâncias e choques, os locais e hora, usam-se desde o 7 ao 4!

O mais comum é o chumbo 6 e 5 com 34 ou 36 g. Altos, o nº 4 e 36 ou mais

gramas.

Eu uso chumbo 5 com 34g/36g

Lebre - Ideal o chumbo 6 ou 5 com 34 a 36 g.
Eu uso chumbo 5 com 34g

Coelhos - Há um consenso no chumbo 6 e 32 g. Com ou sem dispersor!
Eu uso chumbo 5 32g no dispersor e chumbo 5 com 34g no 3º tiro

Definindo o “cartucho que dá para tudo” sem dúvida chumbo nº 7 com 32 gramas!

Tirando o dispersor é tudo a 34g e o chumbo varia consoante a peça de caça.

A razão pela qual eu uso chumbo mais grados em relação à grande maioria...é que prefiro errar que a ferir a peça de caça e não apanha-la.

Dando um exemplo, durante algum tempo usei aos tordos o chumbo nº8 por conselho do meu armeiro...pois lembro-me bem que em 10 tordos que matasse, havia sempre 3 ou 4 que iam morrer longe de ferido...ao usar um chumbo mais grosso essa média de feridos baixou-me para 1 ou 2. O que para mim é significativo.


Tenho um familiar que costuma dizer " vale mais eu come-los com uma colher...que os outros com um garfo"



Voltar ao Topo Ir em baixo
artmar
Caçador Veterano ;-)
Caçador Veterano ;-)


Número de Mensagens : 312
Idade : 53
Localização : Aveiro
Data de inscrição : 10/06/2010

MensagemAssunto: Re: Pequeno debate   Qua Out 20, 2010 6:27 pm

Boa tarde gente !!
Quanto a esta questão de cartuchos e choques, haverá sempre algo a dizer e experiências pra contar.
Eu por exemplo tive sempre armas de canos sobrepostos (s/choques) e apenas me preocupava com os cartuchos. A pouco tempo comprei uma Maxus da Browning. Sempre usei o Melior Diamante de 34g com chumbo 3 para os patos e as vezes aos torcazes altos e então verifiquei que na minha nova arma e com estes tiros o choque de 4**** a 35 metros faz um tiro mais concentrado, mais regular e uniforme do que o choque de 1*,.......um rodo desconchavado e com raleiras. Não tem comparação possível....ate fiquei um pouco confuso. Não tenho conhecimentos técnicos para falar sobre este caso, mas penso que isto estará relacionado com as características destes canos que estão preparados para as esferas de aço......penso eu !?!?. Fiz tiros com o mesmo choque (4) com mais dois ou três modelos de cartuchos em 32g e a chumbada espectacular. Agora falta ir pro campo e malhar neles, pois não tenho tido hipóteses.
Boas caçadas
Artmar
Voltar ao Topo Ir em baixo
Hélio
Caçador Veterano ;-)
Caçador Veterano ;-)


Número de Mensagens : 841
Idade : 36
Localização : Leiria
Data de inscrição : 12/03/2008

MensagemAssunto: Re: Pequeno debate   Qua Out 20, 2010 9:00 pm

Tem a ver com o Backbore.

Voltar ao Topo Ir em baixo
artmar
Caçador Veterano ;-)
Caçador Veterano ;-)


Número de Mensagens : 312
Idade : 53
Localização : Aveiro
Data de inscrição : 10/06/2010

MensagemAssunto: Re: Pequeno debate   Qui Out 21, 2010 11:06 am

Bom dia !!
Com certeza que será. Não tive oportunidade para fazer o teste de penetração dado não ter uma lista telefónica, mas não quero querer que não esteja dentro do que se prevê normal. Posso ate dizer que quanto á chumbada este cano com o 4**** supera qualquer cano de outras armas que tive com choques mais apertados.
Abraço
Voltar ao Topo Ir em baixo
Hélio
Caçador Veterano ;-)
Caçador Veterano ;-)


Número de Mensagens : 841
Idade : 36
Localização : Leiria
Data de inscrição : 12/03/2008

MensagemAssunto: Re: Pequeno debate   Qui Out 21, 2010 10:03 pm

Já fiz por duas vezes testes de perfuração com armas com backbore e até ao momento ainda não encontrei razão para mudar para este perfil de cano. Quanto à perfuração ainda não as vi a superar as almas tradicionais. Uma das características destes canos é fazerem tiros muito fechados que é igual a muitos tiros errados.

Esses canos são optimizados para o aço e não para o chumbo. O aço ao ser mais leve tem tendência a dispersar mais e esses tipos de cano compensam essa abertura.

O cilíndrico no backbore deve chegar perfeitamente para muito tipo de caça com determinados cartuchos.

Tiros fechados requerem que o atirador seja um pouco acima da média para fazer boas médias.
Voltar ao Topo Ir em baixo
beretta302
Caçador Veterano ;-)
Caçador Veterano ;-)


Número de Mensagens : 485
Idade : 46
Localização : Setubal
Data de inscrição : 02/03/2010

MensagemAssunto: Re: Pequeno debate   Ter Out 26, 2010 10:47 am

Hélio escreveu:
... Tiros fechados requerem que o atirador seja um pouco acima da média para fazer boas médias...

Queres então dizer que eu deveria atirar com uma arma destas, certamente...


... ou não...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Pequeno debate   Hoje à(s) 7:52 am

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Pequeno debate
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Caça&pesca&natureza :: Armas e Muniçoes & calçado e Vestuário :: Armas e Muniçoes-
Ir para: